IMG_4287 (1).JPG

Perfil de Assistência

g.png

Medicina Materno Fetal de Alto Risco

A definição de gestação de alto risco é “aquela na qual a vida ou a saúde da mãe e/ou do feto e/ou do recém-nascido têm maiores chances de serem atingidas que as da média da população” Assim, a medicina materno fetal é uma visão da obstetrícia que compreende o suporte à gestante e/ou ao feto de risco, considerando que o útero é o primeiro local para o começo da prevenção de futuras doenças. Sim, começamos a buscar saúde desde o momento da concepção.

Antigamente, o pré natal se restringia a avaliação da gestante, para através dessas medidas supor o bem estar fetal, porém, o avanço da obstetrícia trouxe um maior entendimento acerca dos modelos de lesão fetal, o que nos possibilita compreender de forma muito mais clara como o feto está em risco, quais os cenários de risco para a gestante em cada intercorrência, além de fornecer um maior aporte tecnológico para estudo de toda a gestação. O objetivo é proporcionar segurança no acompanhamento do binômio materno-fetal, buscando o melhor ambiente intrauterino para o desenvolvimento do bebê.

Esse manejo contempla abordagens especificas para cada uma das possíveis intercorrências próprias da gestação, como a pré eclampsia e o diabetes gestacional.

 

A experiência em gestações de alto risco é também de suma importância para as mulheres que possuem doenças prévias e desejam engravidar. Cada patologia pré gestacional, como por exemplo, o Lúpus eritematoso sistêmico, a Artrite reumatoide, a doença de Crohn, Anemias crônicas, Hepatopatias, Epilepsia, Doença Renal Crônica, Cardiopatias e Trombofilias, merece um acompanhamento direcionado e frequentemente multidisciplinar.

f.png

Ginecologia & Saúde da Mulher

O acompanhamento ginecológico é extremamente dinâmico e deve ser diferente  em cada fase da vida da mulher, a divisão das décadas favorece o acompanhamento atual e coerente focando nas reais necessidades de cada período. Afinal, uma adolescente tem necessidades e desafios diferentes de uma mulher na quinta década de vida, por exemplo.

 

O mais importante em uma consulta ginecológica, independente da fase da vida  na qual a mulher se encontra, é buscar a saúde de forma ampla, o que só é possível com dedicação, olhos para ver e ouvidos para ouvir. Um acompanhamento adequado é a melhor forma de garantir a melhoria da qualidade de vida da paciente.

REJU.png

Rejuvenescimento

Íntimo

“Um bom edifício não é apenas atraente; ele tem que funcionar.”

 

A região íntima é uma parte importante do corpo da mulher, e o primeiro olhar deve sempre ser voltado para a “função”. A avaliação da funcionalidade não envolve apenas exames físicos, mas conversas sobre a sexualidade da paciente, avaliação da satisfação com sua região íntima, orientações quanto a importância do autoconhecimento, busca de queixas como: dor, ressecamento, prurido crônico, dor na relação sexual, falta de libido e tantas outras.

Um segundo olhar, cada dia mais importante e requisitado, volta-se ao ponto de vista estético, muitas vezes a queixa da paciente não se relaciona com o aspecto funcional da vulva, mas com questões como: A tonalidade, a textura da pele na região íntima, o volume dos pequenos lábios e etc.  Essas e outras queixas muitas vezes mantém relação direta com a fase da vida da mulher, como a gravidez, o pós parto e a menopausa quando as alterações no corpo feminino acontecem de forma mais intensa, gerando muitas vezes modificações significativas também na região genital. O estudo cuidadoso de cada caso permite elaborar um protocolo que melhore o que incomoda a paciente.

 
O conceito de rejuvenescimento íntimo envolve estratégias para melhorar a qualidade de vida da paciente, tanto no aspecto funcional como no estético. É possível estimular a produção de colágeno, melhorar a flacidez local e clarear a região genital por meio de abordagens que envolvem a hidratação e/ou lubrificação local com formulações específicas, fisioterapia pélvica, peelings de curta duração aplicados no consultório, formulações de clareamento para uso domiciliar e o laser íntimo, que atua  na flacidez profunda e melhora o relevo, a textura e o contorno das paredes vaginais e da parte externa.